Assistência técnica da Emdagro contribui para uma agricultura sustentável

Na semana eu que se comemora o Dia Nacional de Conservação de Solo, parcerias, projetos e orientações técnicas fortalecem práticas conservacionistas e agroecológicas no estado

Neste 15 de abril, celebra-se o Dia Nacional da Conservação do Solo, importante ativo ambiental, essencial à vida na Terra. Responsável por garantir a produção de alimentos e fibras, por fornecer serviços ambientais e a regulação do clima, o solo também tem como importante papel a conservação da biodiversidade, a partir da preservação dos habitats, sequestro de carbono e outros serviços imprescindíveis para a sobrevivência humana.

Nesse contexto, a Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), por meio da Coordenadoria de Agroecologia e Produção Orgânica, tem desempenhado um papel fundamental. O Coordenador de Agroecologia, Waltenis Braga, ressalta que para promover a conservação do solo, é necessário adotar princípios e técnicas agrícolas voltadas ao manejo correto das terras. “A agroecologia permite ao agricultor compreender e modificar a forma de praticar a agricultura, unindo o saber tradicional ao saber científico. Com o tempo, ele começa a produzir melhor e adquire autonomia na propriedade”, sintetizou.

“A Emdagro, por meio das atividades de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), vem capacitando, qualificando e orientando produtores e produtoras da agricultura familiar no processo de conversão para agricultura de base agroecológica. Essas práticas colaboram para a conservação do solo e contribuem para a efetivação do papel do Estado enquanto agente promotor do desenvolvimento rural, aliando a sustentabilidade ambiental e econômica”, destacou o Diretor de Ater da Emdagro, Jean Carlos Nascimento.

Somado a isso, a Emdagro possui em Itabaiana um Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Agroecologia, onde são instaladas técnicas experimentais e já consolidadas na agricultura orgânica, como o uso de adubos verdes e o sistema agroflorestal (SAF). A equipe da coordenadoria de agroecologia da empresa também realiza o incentivo e as orientações necessárias para a implantação de novos SAFs no estado.

Um exemplo de boas práticas na conservação do solo é do agricultor familiar José Adelson Fonseca, conhecido como ‘Delson dos orgânicos’, do povoado Garangau, em Campo do Brito, que já colhe os frutos das orientações da Emdagro. Certificado como produtor orgânico, ele vem reflorestando suas áreas há três anos, tendo plantado mais de três mil mudas de espécies florestais e frutíferas. “Eu como somente aquilo que produzo. Não compro quase nada, e depois que conheci e comecei a usar práticas agroecológicas, passei a trabalhar melhor a roça, fazendo compostagem, deixando a terra descansar e mudando os plantios de lugar, e a produção sai mais sadia”, comemora.

Outra iniciativa importante foi o projeto Manejo do Uso Sustentável da Terra no Semiárido do Nordeste Brasileiro – Sergipe (Projeto Sergipe), promovido pela Emdagro, com recursos do Programa das Nações Unidas (Pnud), sob a coordenação técnica do Ministério do Meio Ambiente (MMA), com investimentos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), e apoio técnico da empresa IANDÉ. Este projeto capacitou produtores, tratoristas e técnicos extensionistas em práticas conservacionistas de solo, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida das comunidades locais e criando espaços de referência para a visitação e compartilhamento das experiências por outros agricultores do entorno.

De acordo com a equipe da Emdagro, o serviço de extensão rural e assistência técnica do Governo de Sergipe tem desempenhado um papel fundamental na promoção da agroecologia e na conservação dos solos em Sergipe, contribuindo para a construção de um futuro mais sustentável para as gerações presentes e futuras.

Governo de Sergipe investe em biotecnologia reprodutiva e garante melhoramento genético em rebanho

Tecnologia da Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) tem por objetivo garantir o acesso à tecnologia a animais de pequenos produtores; mais de 1.100 bezerros nasceram em 2023 resultado das inseminações

O rebanho de Sergipe está crescendo em qualidade graças aos investimentos do Governo do Estado em biotecnologia reprodutiva. A ação tem por objetivo o melhoramento genético do rebanho leiteiro e de corte de pequenos produtores, por meio da tecnologia da Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF). A iniciativa faz parte do programa Pecuária Mais Brasil, do Governo Federal, em parceria com o Governo de Sergipe e a Confederação Nacional dos Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais do Brasil (Conafer).

Para participar do programa, basta o produtor rural interessado se cadastrar em qualquer escritório da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), unidade vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri), para passar suas informações pessoais e, também, da sua propriedade. Após isso, um técnico da Emdagro faz a visita na propriedade, indica a raça de touro que vai ser utilizada e informa quando se inicia o protocolo, já com a presença do veterinário da Conafer e todos os insumos necessários para começar o processo.

Desde o início do programa, em 2022, até hoje, 114 produtores já foram atendidos, 918 vacas foram inseminadas e 13 municípios receberam o programa. Entre os municípios estão Boquim, ⁠Riachão do Dantas, ⁠Lagarto, ⁠Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora de Lourdes, Monte Alegre, Itabi, ⁠Amparo, Capela, ⁠Aquidabã, Poço Verde, ⁠Porto da Folha e ⁠Itaporanga d’Ajuda. 

A zootecnista da Emdagro, Diana Silva Maynard Garcez, é uma das responsáveis pelo programa em Sergipe e explicou o passo a passo do protocolo. “O primeiro dia a gente chama D0, onde o veterinário faz avaliação ginecológica das vacas que serão inseminadas. Elas precisam estar saudáveis, com escore corporal adequado, sem nenhuma infecção uterina, vermifugadas, têm que estar sem carrapato, vacinadas, saudáveis em geral. Estando aptas, o veterinário coloca um implante de progestorona”, explicou sobre a primeira etapa.

Oito dias após essa preparação, o chamado D8, o veterinário retorna, tira o implante de progesterona e aplica mais hormônios. Já no dia 10 (D10), que acontece entre 44/48 horas após a retirada do implante de progesterona, as vacas estão no cio. “A gente já sincronizou o cio delas com a aplicação dos hormônios, e todas estão neste período ao mesmo tempo. Então, esse é o dia em que acontece a inseminação. O programa é voltado para pequenos produtores rurais, com propriedades de até 50 animais”, completou a zootecnista da Emdagro.

Em toda preparação até chegar a fase final, a Emdagro acompanha o processo. “Nós somos os responsáveis por levar o veterinário que fará a inseminação até as propriedades, selecionamos os produtores, fazemos o cadastro, enviamos toda documentação à Conafer para que seja feito o agendamento e a gente inicie o procedimento”, afirmou Diana. 

Aumento da produtividade

O melhoramento genético traz mais produtividade aos beneficiários. De acordo com a zootecnista, no caso dos produtores de leite, a inseminação vai proporcionar um quantitativo maior de leite. Já para os produtores de gado de corte, eles terão um bovino com ganho de peso maior que os animais que não são de touros selecionados. “O programa foi iniciado em Sergipe no ano de 2022. Em 2023 tivemos os nascimentos das inseminações realizadas em 2022, que foram 1.132 bezerros nascidos. Agora, em 2024, nós já estamos começando os nascimentos das inseminações feitas em 2023. Até o momento, nasceram três bezerros de leite no município de Boquim, local onde foi iniciada a inseminação no ano de 2023”, explicou. 

A parceria entre o Governo do Estado e a Conafer tem o intuito também de melhorar a vida dos produtores rurais cadastrados. Quem confirma isso é o médico veterinário responsável pelas inseminações, Geimisson Claudino. “A gente consegue não só o melhoramento genético dos animais, mas também, a saúde desses animais. Além disso, o produtor rural lucra em caso de venda do animal, pois terá mais qualidade”, ressaltou. 

Beneficiários do programa

O produtor rural Gilvan Santos não escondeu sua felicidade em colher frutos da inseminação feita no ano passado. “É uma benção. A primeira bezerra nasceu esta semana e quando ela estiver na época de produzir leite, teremos o dobro da produção. A nossa meta é triplicar com mais essa inseminação realizada aqui em minha propriedade”, disse, com a expectativa alta. 

Além de proporcionar melhoramento genético, o programa Pecuária Mais Brasil garante economia para os pequenos produtores rurais, já que o investimento é federal em parceria com o Governo do Estado. Quem agradeceu a oportunidade foi o pecuarista José Maurício Silva Andrade. “Graças a essa parceria, nós, produtores rurais, temos nosso rebanho melhorado a custo zero. É uma oportunidade de ganharmos renda extra, pois nossa produção irá melhorar e, consequentemente, minha família ganhará mais”, comemorou. 

Acompanhando todas as visitas a produtores no município de Boquim, região sul de Sergipe, o chefe do escritório da Emdagro na localidade, Jeotônio Ferreira, afirma que é uma celebração ver o resultado de um trabalho feito em equipe. “Aqui já é fruto de um trabalho que fizemos no ano passado, tem outros animais para nascer. Então, assim, você já percebe que a genética da bezerra que nasceu essa semana já difere da mãe dela. O nosso objetivo é transferir para o pequeno produtor uma melhoria genética para seu rebanho. Estamos trabalhando para que, cada vez mais, outros produtores possam aderir a esse programa e ter também esses benefícios”, disse.

Suco de laranja foi responsável por 68,5% das exportações em Sergipe

Incentivos realizados pelo Governo do Estado estão principalmente voltados para controle sanitário, produção de mudas para renovação de pomares e assistência técnica aos pequenos produtores

As exportações sergipanas no último mês de março somaram 14,2 milhões de dólares e, entre os 26 produtos sergipanos, o suco de laranja foi responsável por 68,5% do valor total, que contabilizam aproximadamente 9,8 milhões de dólares. Os dados foram divulgados pelo Observatório de Sergipe, órgão vinculado à Secretaria Especial de Planejamento, Orçamento e Inovação (Seplan). De acordo com a Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri), o resultado demonstra, mais uma vez, a importância do setor citrícola para o desenvolvimento econômico e social de Sergipe.

“O setor citrícola é importante para o desenvolvimento de Sergipe, com a geração de milhares de empregos e produção de uma grande variedade de frutas cítricas, como laranja, limão, abacaxi, maracujá e acerola, que fortalecem a economia local. As duas grandes empresas de suco de frutas cítricas instaladas em Sergipe absorvem grande parte da produção estadual e dos produtores do norte da Bahia, que também são sergipanos”, destacou o secretário de Estado da Agricultura, Zeca da Silva. 

De acordo com ele, são 14 municípios produtores nas regiões sul e centro-sul do estado. “Uma comprovação da importância desse setor produtivo é o resultado positivo na balança comercial, com 68,5% da pauta de exportações do estado originada da citricultura”, pontuou Zeca. No estudo feito pelo Observatório de Sergipe, os 14.653 estabelecimentos agropecuários que cultivavam laranja representam 15,7% do total de estabelecimentos no estado. Consta no estudo que, em 2022, o valor bruto da produção da laranja foi de R$ 288 milhões, correspondendo a 14% deste.

Incentivos do governo estadual

Ainda de acordo com a Secretaria de Estado da Agricultura, o Governo de Sergipe está empenhado em promover o desenvolvimento sustentável na citricultura sergipana e controle sanitário, para evitar a entrada de plantas ou mudas contaminadas com pragas. Para isso, tem realizado diversas ações voltadas aos pequenos produtores da região centro-sul do estado, como a distribuição de borbulhas de citros. Desde o ano passado, já foram entregues 150 mil borbulhas de laranja, limão e tangerina (sendo 95% de laranja) nos 14 municípios da região citrícola, beneficiando 26 produtores. As ações são desenvolvidas pela Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), órgão vinculado à Seagri.

O coordenador de Agricultura da Emdagro, Eduardo Barreto, disse que uma das ações mais importantes é a produção de mudas de porta-enxerto com certificação. “No Centro de Fruticultura Tropical da Emdagro, em Boquim, implementamos uma área de dez mil metros quadrados com 550 plantas, de quatro variedades de porta enxertos, com resistência maior às pragas e doenças, que deverão produzir anualmente 300 mil sementes. Estas viabilizarão a produção de cerca de 290 mil mudas de porta-enxertos a serem distribuídas para os pequenos produtores da região até o próximo ano. O porta enxerto é o suporte da planta e com mais essa ação o Governo do Estado, por meio da Emdagro, vai garantir mais de 50% do custo dos pomares desses pequenos produtores”, enfatizou.

Também está sendo realizada uma capacitação com técnicos recém contratados pela Emdagro, a fim de prestar informações iniciais sobre o tema e com os funcionários mais antigos, para que possam atualizar seus conhecimentos na área. O Programa de Citricultura Sustentável/Capacitação Continuada, dividido em três módulos, tratou sobre o tema ‘Manejo integrado de pragas e doenças de citros’, no último dia 3 de abril, em Boquim. No dia 4 de abril, foi apresentado sobre o tema ‘Sistema de produção de mudas de citros’, realizado na sede da empresa Sergipe Citrus, em Santa Luzia do Itanhi. O último módulo, com o tema ‘Sistema de produção de citros sustentável’, será realizado nos dias 29 e 30 de abril, em Boquim, e finalizado com uma visita à área de produção de citros da Fazenda Maratá, em Itaporanga D’Ajuda.

Agricultura

Coderse comemora 41 anos de serviços e desenvolvimento do meio rural sergipano 

Equipes, infraestrutura e equipamentos levam políticas públicas e fixam famílias no campo com qualidade de vida, emprego e renda

A Companhia de Desenvolvimento Regional de Sergipe (Coderse) completa 41 anos de fundação neste sábado, 13 de abril. Durante todo esse período, a empresa perfurou 4.065 poços tubulares e administrou a infraestrutura para a irrigação pública de quase quatro mil hectares que beneficiam, com emprego e renda, 14 mil pessoas no campo. Atualmente, a companhia executa a implantação da Adutora do Leite, com 108 quilômetros de extensão; a expansão do Programa Água Doce, com mais três unidades de dessalinização; e a segunda fase do Programa Água para Todos, com 20 novos sistemas de abastecimento.

Na percepção do secretário de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca, Zeca da Silva, a Coderse desempenha um papel importante na produção de alimentos e fornecimento de água para a população do campo, para o abastecimento dos animais e para a produção agrícola. “O Governo do Estado ampliou a atuação da Coderse para trabalhar ações de desenvolvimento, como é o caso do projeto Adutora do Leite, que está em fase de licitação dos estudos. Por todo esse trabalho, em nome do presidente da empresa, Paulo Sobral, e toda a diretoria, apresento minha saudação de gratidão a todos os servidores”, considera.

A Adutora do Leite é uma iniciativa do Governo do Estado, intermediada pela Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri), que tem como finalidade beneficiar, principalmente, a bacia leiteira do alto sertão sergipano. O edital para a contratação dos estudos e projetos foi lançado no dia 2 deste mês. O diretor-presidente da Coderse, Paulo Sobral, frisa que a obra vai permitir que o produtor diminua custos com a dessedentação animal e reinvista na alimentação, qualidade e tamanho do próprio rebanho.

“Estamos comemorando, além dos 41 anos da Coderse, o primeiro passo dessa obra tão importante para os sergipanos, que vai encurtar distâncias ao acesso à água para produzir em Canindé de São Francisco, Poço Redondo, Porto da Folha, Monte Alegre e Nossa Senhora da Glória. Com isso, a intenção é dobrar a produção de leite para 460 milhões de litros nesses municípios”, disse o presidente da companhia vinculada à Seagri.

Paulo Sobral acrescenta que, neste 41º ano, o acesso da população rural à água potável também aumenta. “São mais três que vão somar, ao serem concluídas, 32 unidades de dessalinização e produção de água potável no semiárido sergipano. A unidade do Programa Água Doce no Assentamento Carlos Prestes, em Carira, está perto da conclusão, com as dos povoados Saco da Camisa (Poço Verde) e Bela Aurora (Porto da Folha), em andamento”, informou.

Produção de alimentos

O presidente da companhia também lembrou que a Coderse, nos seis perímetros irrigados que administra, levou irrigação para a produção de mais de 110 mil toneladas de alimentos e outros 2.295.500 litros de leite em 2023, gerando uma renda superior a R$ 210 milhões, em benefício de 14 mil pessoas envolvidas na produção. “Esse resultado, repetido anualmente, contribui para consolidar a cesta básica de Aracaju como a mais barata do país já por vários anos”, pontuou Paulo Sobral. Ele acrescenta que, além da irrigação, existe o investimento em assistência técnica ao agricultor e a manutenção periódica de toda a infraestrutura de bombeamento e barragens.

Recursos humanos

Nos 41 anos, comemoram os beneficiários de suas políticas públicas; a população, que tem mais acesso à alimentos que antes da irrigação vinham de outros estados; e os cerca de 400 funcionários envolvidos em todo esse processo.  “A gente testemunha a satisfação que eles têm em fazer parte de todo esse processo de desenvolvimento e de qualidade de vida levado à população rural. São servidores de todas áreas; desde a de projetos, licitação, execução, extensão rural e de fiscalização. Trabalham na sede, nos perímetros irrigados, ou vão a todos os interiores do estado, construindo ou recuperando a infraestrutura hídrica. Dedico os meus parabéns, pelos 41 anos, a esses importantes parceiros que a mulher e o homem do campo têm aqui nesta empresa”, coloca a diretora Administrativa e Financeira da Coderse, Patrícia Moura.

Presidente da Associação de Servidores da Coderse, Luiz Roberto Moura destaca o momento em que a Coderse completa 41 anos como um período em que a responsabilidade da empresa e funcionários aumenta, com a ampliação da gama de atuação. “A antiga Cohidro se transformou na Coderse, para abraçar novos desafios, com grandes obras de construção de adutoras, dessalinizadores e de saneamento rural, como o calçamento de estradas. Do ponto de vista do servidor, cresce a responsabilidade, mas também o orgulho que sempre existiu no peito de cada um que faz parte desta grande família”, finalizou.

Agricultura

Técnicos da Emdagro visitam experiência de energia solar em Emater de Minas Gerais

O objetivo foi conhecer a usina fotovoltaica instalada no município de Ponto dos Volantes, que promete reduzir significativamente os custos de energia elétrica

Uma comitiva de técnicos da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro) realizou uma visita técnica à cidade de Ponto dos Volantes, em Minas Gerais, para conhecer de perto os trabalhos desenvolvidos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater/MG) na área de energia solar. O objetivo foi conhecer a usina fotovoltaica instalada no município, que promete reduzir significativamente os custos de energia elétrica. 

A visita foi coordenada pelo diretor administrativo e financeiro da Emdagro, Fernando André de Oliveira, e pelo diretor técnico Jean Carlos Nascimento, acompanhados pelos técnicos engenheiro agrônomo, Godofredo Vieira, e o engenheiro civil, Hugo Monteiro Rocha. A equipe da Emdagro foi recepcionada pelo engenheiro agrônomo Ricardo Almeida, gestor da Unidade Regional da Emater/MG em Almenara, e pelo engenheiro agrônomo Cristiano Santos, chefe da unidade local da Emater/MG em Ponto dos Volantes.

Durante a visita técnica, também estiveram presentes o secretário de Agricultura de Ponto dos Volantes, Rui Borges, e o engenheiro elétrico Flávio Borges, responsável pelo desenvolvimento e implantação do projeto da usina fotovoltaica. A usina foi construída em uma área de 400 metros quadrados, tem capacidade de produção de 12.000kw/h/mês e teve um custo de R$ 500 mil, financiado pela Emater/MG. A expectativa é que o investimento se pague em 12 meses, com uma redução de quase 100% nos custos de energia elétrica.

O Diretor Administrativo e Financeiro da Emdagro, Fernando André de Oliveira, destacou a importância de buscar soluções sustentáveis e economicamente viáveis para suprir as demandas energéticas da empresa. “Estamos impressionados com o que vimos aqui em Ponto dos Volantes. Essa iniciativa da Emater/MG mostra que é possível investir em energia limpa e reduzir custos operacionais ao mesmo tempo. Precisamos considerar seriamente a implementação de projetos similares em nossa empresa, onde a Emdagro tem um custo mensal hoje em energia de R$ 54 mil, e uma usina com uma produção de 8.000 kWh/mês supriria em 100% nossas necessidades” ressaltou Oliveira.

A visita foi marcada por questionamentos sobre custos, benefícios, manutenção, contratos de execução e financiamentos relacionados ao projeto de energia solar. Todo o material apresentado será analisado pela Emdagro, visando a possibilidade de adoção de tecnologias semelhantes no estado de Sergipe.

Festa Amigos do Leite movimentou economia na região do alto sertão sergipano

Em sua 13ª edição evento realizado no povoado Santa Rosa do Ermírio contou com apoio do Governo do Estado

A Festa Amigos do Leite, realizada entre os dias 4 e 7 de abril, no povoado Santa Rosa do Ermírio, município de Poço Redondo, está no calendário entre os maiores eventos da pecuária leiteira sergipana e entrou na sua 13ª edição. Pelo segundo ano consecutivo, o evento recebeu apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura e do Banco do Estado de Sergipe. Realizada pela Federação da Agricultura e Pecuária de Sergipe (Faese), SOS Eventos e Professor Odair José de Oliveira, a celebração acontece onde o leite representa a fonte de renda para 90% das famílias locais, que com sua produção abastecem grandes laticínios de Sergipe.

De acordo com Odair José, um dos organizadores da festa e também criador, Santa Rosa do Ermírio ultrapassa a produção de 200 mil litros de leite por dia, despontando na liderança como maior bacia leiteira de Sergipe. “Santa Rosa do Ermírio é a ‘terra do leite’, com maior produção por metro quadrado no Estado”, afirma o organizador.  A edição deste ano contou com 200 animais na pista de julgamento. “Nós tivemos gado das raças gir e girolando, todos cem por cento registrados, assegurando a origem do animal”, destacou.

Segundo ele, participaram do torneio e como expositores de gado criadores de vários estados do Nordeste, a exemplo da Paraíba, João Pessoa, Alagoas, Pernambuco, Bahia, que se soma a essa grande genética da região de Santa Rosa do Ermírio. “Pela robustez e qualidade genética do gado que participou esse ano, já era previsto que as vacas do torneio passassem de 1.400 litros de leite por dia, o que movimentou um volume de negócios de aproximadamente R$ 25 milhões”, divulgou.

A vaca campeã no torneio leiteiro, Golpista (King Royal), com 194 kg de leite, teve uma média de 97 kg por dia e é de propriedade de um condomínio formado por criadores de Pedro Alexandre, na Bahia e Lagoa Redonda, povoado de Santa Rosa do Ermírio. “O segundo e o terceiro lugares também foram de animais locais, sendo Lezia (Montross) com 185 kg de leite, com uma média de 92 kg de leite por dia, da Fazenda Lagoa Nova, daqui de Santa Rosa do Ermírio e Aline, com 177 Kg de leite, com uma média diária de 88 Kg de leite por dia, de propriedade de Reilton Almeida, do sítio Primavera, em Poço Redondo, respectivamente”, destacou Odair José.
 
Para o secretário de estado da Agricultura, Zeca Ramos da Silva, a realização da Festa Amigos do Leite, de Santa Rosa do Ermírio, proporciona o aumento no número de negócios firmados no setor e a interação entre os criadores do Alto Sertão. “Aqui os criadores e produtores trocam conhecimentos na área, apresentando suas tecnologias e suas formas de manejo com o gado. E, também, é um lugar para fazer negócios, como leilão de animais e venda de serviços e equipamentos”, pontuou Zeca da Silva.

O coordenador de Defesa Animal da Emdagro, veterinário Emerson Sales, participou do evento e falou sobre a importância da presença da instituição. “Somos responsáveis pela saúde pública, pela manutenção de fiscalização da emissão de GTAs (Guia de Trânsito Animal) que é o documento oficial para o trânsito desses animais vindo e saindo do estado e isso é importante para evitar infiltrações, danos à saúde pública e coisas do tipo, então a Emdagro vem para respaldar isso como instituição do governo do Estado”, observou ao destacar que Sergipe garantiu uma grande conquista na área. “A partir de primeiro de maio Sergipe se consolida com o status de estado livre de febre aftosa, sem vacinação. Isso é de uma responsabilidade muito grande e a Emdagro tem um trabalho participativo muito ativo dentro desse processo”, afirmou o técnico.

Para o criador José Teles de Andrade Sobrinho, mas conhecido na região como Zé do Poço, é gratificante participar de eventos como esse, onde há uma grande troca de conhecimentos. “É uma oportunidade de demonstrarmos nosso produto e adquirirmos novos conhecimentos no setor. Quando começamos, há 30 anos atrás, não tinha tecnologia nenhuma, nem inseminação, não usava boi registrado, hoje utilizamos mais a inseminação, o embrião, que tem uma genética diferente e podemos mostrar que estamos no caminho certo”, disse o produtor que tem um plantel com mais de mil cabeças de gado, sendo 500 a 600 vacas leiteiras.

Santa Rosa do Ermírio

Com uma população aproximada de 12 mil habitantes, Santa Rosa do Ermírio, distante 180 km da capital sergipana, se destaca na produção de leite em Sergipe, em razão dos bons solos, que favorecem as grandes e pequenas fazendas da região, além dos rebanhos bovinos selecionados, que garantem a alta produtividade. O povoado tem o leite como principal produto, representando a fonte de renda para 90% das famílias locais, que com sua produção abastecem grandes laticínios de Sergipe.

Estado levou ações da Agricultura para a 25ª edição do ‘Sergipe é aqui’ em Cedro de São João

Foram entregues sementes de milho a agricultores assentados, certificados de vacinação contra a Brucelose a criadores do município e encaminhadas para amostras de solo de propriedades agrícolas para análise pelo ITPS

Em sua 25ª edição, o ‘Sergipe é aqui’ levou nessa quinta-feira, 4, ao município de Cedro de São João, os serviços e ações realizadas pelo Governo do Estado, por meio de suas secretarias e órgãos públicos. Mais uma vez, a Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri) esteve presente, juntamente com suas vinculadas – Coderse, Emdagro e Pronese – atendendo aos agricultores do município e região. Na oportunidade, foram entregues sementes de milho a agricultores assentados, certificados de vacinação contra a Brucelose a criadores do município e encaminhadas para análise pelo Instituto Tecnológico e de Pesquisas do Estado de Sergipe (ITPS), 14 amostras de solo de propriedades agrícolas do município.

Quem visitou o estande da Agricultura, além de ser atendido pelos técnicos que esclareceram dúvidas ou informaram sobre algum serviço, também pôde voltar pra casa com uma das 50 mudas certificadas de árvores frutíferas que foram distribuídas na ocasião. Como foi o caso do agricultor Wesley Crenilson Nunes Santos, do povoado Poço dos Bois, que recebeu um pezinho de jambo, para plantar em seu sítio. “Achei muito boa essa ação do Governo do Estado. Cheguei agora há pouco e já vim garantir minha muda de jambo, uma fruta que gosto muito, mas ainda não tinha em casa”, disse o agricultor, que planta milho, feijão, abóbora, feijão-de-corda, entre outras variedades, juntamente com sua mãe.

Maria Gildelice Santos de Oliveira ficou feliz ao ganhar uma muda de graviola para plantar em sua propriedade. Ela que é natural de Cedro de São João, mas desde a adolescência morava em São Paulo, onde trabalhava como auxiliar de cozinha, retornou somente há dois anos para sua cidade natal e viu na agricultura uma maneira de subsistência, já que está desempregada. “Em minha rocinha, planto de tudo um pouco. Tenho feijão, milho, mandioca e uns pés de frutas. Já tinha plantado a graviola, mas não vingou, por causa do calor, mas agora tenho esperança que vai dar certo”, destacou.

O agricultor do Assentamento São João Batista, Lenaldo Vieira da Silva, também não escondeu sua alegria pelo recebimento de seus 10 kg de sementes de milho. “Estou muito feliz hoje por estar saindo daqui com minhas sementes. Agradeço a Deus por isso. Antes, sempre enfrentávamos dificuldades quando o inverno terminava e as sementes não chegavam, mas agora é diferente, elas estão chegando no momento certo para plantio. Com essas sementes vou poder alimentar minhas doze cabeças de gado e ajudar no meu sustento e de minha família”, afirmou.

A iniciativa faz parte do programa “Sementes do Futuro”, que vem sendo realizado pelo Governo do Estado e, desde o mês passado, iniciou a distribuição dos grãos com 20.600 pequenos produtores rurais e agricultores familiares de Sergipe. Ao todo, serão distribuídas 206 toneladas de sementes de milho.

Como nas edições anteriores, a Seagri, por meio da Emdagro, oferece um serviço de coleta de amostra de solo, a serem analisadas pelo Instituto Tecnológico e de Pesquisas de Sergipe (ITPS). Ao longo da semana que antecedeu o Sergipe é aqui em Cedro, técnicos da empresa estiveram na propriedade do agricultor José Adriano Santos, também do Assentamento São João Batista, realizando o trabalho e, nessa quinta-feira, ele veio até o local do evento para entregar pessoalmente sua amostra à equipe do ITPS. “É a primeira vez que faço, com o apoio da Emdagro, a análise de solo em minha propriedade. Estou com muitas expectativas porque sei que, com a análise, vou ter condições de saber quais as deficiências que o solo tem e poder corrigir”, destacou o agricultor que ainda voltou para casa levando uma muda de jaqueira.

Programa Água Doce

Como acontece em todas as edições do programa Sergipe é aqui, a Coderse também esteve presente em Cedro de São João, onde expôs a maquete de uma unidade de produção de água dessalinizada do Programa Água Doce. O diretor-presidente Paulo Sobral e técnicos da companhia participaram do evento, em que prestaram informações sobre a locação, perfuração, limpeza e teste de vazão em poços comunitários, bem como informações sobre a instalação, manutenção e recuperação de sistemas simplificados de abastecimento de água.

Mais de 60 toneladas de alimentos produzidos no perímetro irrigado de Lagarto são doados

O Governo do Estado motiva agricultores a participar, pela venda por período fixo e preço tabelado. Mais 12 irrigantes de Malhador também vão participar do PAA municipal

Por meio da doação simultânea, 60,8 toneladas de alimentos produzidos no Perímetro Irrigado Piauí, mantido pelo Governo do Estado em Lagarto, centro-sul sergipano, começaram a beneficiar 3.600 pessoas em insegurança alimentar de General Maynard, no leste do estado. Na quinta-feira, 4, foram distribuídas à população mais de 3 mil quilos de alimentos, na primeira das entregas quinzenais que vão ocorrer por 10 meses, via Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) da Conab.

Os 23 agricultores fornecedores, do perímetro Piauí, serão remunerados por um montante total de R$ 344.991,61 durante a vigência das entregas do grupo de produtos in natura composto por abóbora, acerola, alface, batata-doce, cebolinha, coentro, couve, laranja, mamão, maracujá, milho verde, pimentão, quiabo e macaxeira. Esta é a primeira das cinco propostas emitidas por associações de irrigantes dos perímetros estaduais, ainda em 2023, que começou a ser paga. Projetos que devem totalizar mais de 356 toneladas de alimentos doados para 19.800 pessoas em Sergipe, caso todas as propostas sejam contempladas pelo Governo Federal.

Josecleide Ferreira é uma das agricultoras irrigantes do perímetro Piauí que participa pela primeira vez da entrega ao PAA, fornecendo quiabo e macaxeira. Para ela, a irrigação fornecida pela Companhia de Desenvolvimento Regional de Sergipe (Coderse) é essencial.  “É a primeira vez que estou participando do projeto, estou gostando muito, não tenho o que reclamar. Incentiva a plantar mais, produzir mais, por causa do preço. A gente já planta, só que o valor era menor e isso aqui é bom. Aumenta a rentabilidade do lote. Sem a irrigação não teria como plantar, só no inverno. Irrigado, conseguimos produzir o ano todo”, justifica.

A Coderse, vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri), presta assessoria na organização, credenciamento, formalização e composição das propostas enviadas à Conab. Complementando a assistência já dada a esses produtores que recebem água de irrigação e assistência técnica agrícola através dos perímetros irrigados da empresa sergipana. Segundo o diretor de Irrigação da Coderse, Júlio Leite, este incentivo melhora a rentabilidade dos agricultores assistidos, já que ele vende a um preço melhor que o do mercado e por um período fixo.

“Esta missão da Coderse vem desde 2008, quando começou a operar o PAA da Conab nos perímetros estaduais. Nesse período, já são mais de 150 mil benefícios, remunerando o produtor para produzir alimentos de qualidade ou beneficiando pessoas atendidas por instituições socioassistenciais. Os agricultores irrigantes foram remunerados em cerca de R$ 13 milhões pelo cultivo desses produtos, na soma de todas as propostas aceitas e com entregas concretizadas. Desse modo, foram entregues mais de 4 mil toneladas de alimentos produzidos na irrigação pública fornecida pelo Governo do Estado”, explica o diretor Júlio Leite sobre os resultados dos últimos 16 anos de programa.

General Maynard

Coordenadora do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) de General Maynard, Márcia Nascimento expõe que a parceria com os produtores do perímetro de Lagarto, garante uma alimentação de qualidade, com produtos agrícolas com boa procedência, às famílias assistidas pela instituição. “O objetivo maior é levar uma qualidade de vida e de alimentos para nossa comunidade, principalmente aos que estão em situação de vulnerabilidade e muitas vezes não tem acesso, pela situação financeira, de alimentos de boa qualidade e no quantitativo que dê para suprir a necessidade da família. O objetivo inicial é que sejam atendidas 800 famílias e a gente quer fazer um rodízio, para que todos tenham a mesma oportunidade”.

A dona de casa Ivaneide dos Santos vive com a filha em General Maynard. Ela elogiou a qualidade e diversidade dos produtos cultivados e entregues pelos irrigantes de Lagarto. “Ajuda em muitas coisas, porque para quem não trabalha, é uma ajuda boa. Achei ótimo [O PAA], porque ajuda a comunidade a ter uma dieta saudável”.

Ruthi Raquel dos Santos também é dona de casa em General Maynard e toma conta dos dois filhos, de um e dois anos. Sempre cultivando hábitos alimentares saudáveis em casa, comemorou a diversidade de produtos in natura oferecidos pelos irrigantes ao PAA. “Eu amei os produtos, são muito bons. Vai servir muito para mim e para os meus filhos, é bem saudável. Eu já não vou comprar esse mês. É costume meu, eu sempre gostei de comer bastante verdura, suco, frutas, o que é mais saudável. Meu pai é agricultor, daí ela me ensinou a comer verduras. Eu amei esse projeto, que serve para gente por vários anos”.

PAA Municipal

O município de General Maynard também realizou um Programa de Aquisição de Alimentos municipal, na modalidade ‘compra com doação simultânea’, que credenciou mais 12 produtores irrigantes atendidos pelo Governo do Estado em Malhador. Eles vão receber mais de R$ 130 mil, durante o período de seis meses, para produzir e entregar quinzenalmente um quantitativo de alimentos saudáveis que supram a dieta alimentar de mais 100 famílias em vulnerabilidade social atendidas pelo Cras. 

“Junto com o pessoal da Coderse, fizemos um contato com o pessoal do Perímetro Irrigado Jacarecica II, para que eles fossem os fornecedores dos produtos agrícolas. Até porque, dentro do município, do território, a gente não tem essa facilidade. E a parceria com a Coderse foi importante, exatamente para ter acesso a esses produtores”, complementou a coordenadora Márcia Nascimento.

Governo de Sergipe publica edital para projeto da Adutora do Leite

Com aumento na oferta de água, produtores reduzem o custo de produção, podendo investir na qualidade da alimentação, genética e crescimento dos rebanhos

Prevista para percorrer mais de 100 quilômetros de extensão, a construção da Adutora do Leite vai levar água do Rio São Francisco até Nossa Senhora da Glória. O edital do processo licitatório para a elaboração dos estudos e projetos foi publicado na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira, 2, e viabiliza o início da obra. A adutora vai desenvolver principalmente a pecuária leiteira, com a meta de dobrar a produção anual para mais de 460 milhões de litros. Além de Glória, a nova adutora vai atender os municípios de Canindé de São Francisco, Poço Redondo e Monte Alegre de Sergipe, onde são criadas 140 mil cabeças de gado.

Serão aproximadamente R$ 250 milhões em investimentos públicos para assistir, com a dessedentação, um rebanho de mais de 204 mil animais de médio e grande porte, em quase 9,5 mil estabelecimentos agropecuários. Com a produção de leite sendo a principal atividade econômica da região do alto sertão sergipano, a expectativa do Governo do Estado é de que a Adutora do Leite melhore a qualidade de vida das 23 mil famílias dos municípios assistidos, com o aumento da geração de renda e abertura de novos postos de trabalho. Ainda de acordo com o governo, haverá uma nova rede de tubulações, composta por estações elevatórias e reservatórios, para o abastecimento de localidades rurais, em seu percurso.

Segundo o secretário de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca, Zeca Ramos da Silva, a expectativa de dobrar a produção de leite tem como base o aumento da oferta hídrica, que automaticamente vai fazer crescer o tamanho dos rebanhos. “A racionalização dos custos que o pecuarista hoje tem para ter acesso à água também vai repercutir em mais capacidade de investimento na qualidade da alimentação do gado de leite e na genética desses animais”, acrescenta o secretário. 

Licitação

O Aviso de Licitação da Concorrência Pública 01, publicado no DOE, é realizado pela Companhia de Desenvolvimento Regional de Sergipe (Coderse), vinculada à Seagri, que vai contratar empresa especializada em engenharia para elaboração dos estudos e projeto da Adutora do Leite. O diretor-presidente da Coderse, Paulo Sobral, explica que a obra será dividida em três etapas de construção.

“O primeiro trecho a ser construído vai da Estação Elevatória de Água Bruta (EEAB) 100, que atende o Perímetro Irrigado Califórnia da Coderse, até Poço Redondo. Percurso em que é prevista a construção de uma segunda EEAB. No segundo trecho está prevista a construção da terceira EEAB e fará a água do São Francisco chegar ao povoado Santa Rosa do Ermírio, ainda em Poço Redondo. Terminando toda obra com o trecho que chega à sede municipal de Glória, com previsão da implantação de mais uma EEAB”, lista o presidente Paulo Sobral.

Parceria entre Emdagro e Ardase impulsiona recolhimento de embalagens de agrotóxicos

Em 2023, foram recolhidas 77 toneladas de embalagens em Sergipe; neste ano, até o momento, já foram 15 toneladas

No cenário agrícola brasileiro, o descarte inadequado de embalagens vazias de agrotóxicos permanece como um desafio de relevância ambiental e socioeconômica. Apesar da existência de legislações que regulam esse processo, sua efetiva implementação enfrenta obstáculos significativos. No entanto, iniciativas como o Programa Nacional de Devolução de Embalagens Vazias têm contribuído para a conscientização e adoção de práticas mais sustentáveis.

Dados recentes da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro) destacam avanços no manejo adequado dessas embalagens em Sergipe. Em 2023, foram destinadas de forma ambientalmente adequada 77 toneladas de embalagens vazias de agrotóxicos, e em 2024, até o momento, já foram recebidas mais 15 toneladas, evidenciando um esforço contínuo nesse sentido.

Um elemento importante nesse progresso é a parceria entre a Emdagro e a Associação dos Revendedores de Produtos Agropecuários do Estado de Sergipe (Ardase). Juntas, as instituições têm promovido a conscientização dos agricultores e casas agropecuárias sobre a importância do descarte adequado de embalagens de agrotóxicos. Recentemente, essa colaboração se destacou com um recolhimento itinerante de embalagens vazias no município de Boquim, demonstrando um compromisso conjunto com a gestão sustentável dos resíduos agrícolas.

A diretora da Emdagro, Aparecida Andrade, ressalta a relevância da integração de esforços para enfrentar esse desafio. “É fundamental que todos os envolvidos na cadeia produtiva compreendam a importância da destinação correta dessas embalagens para a preservação do meio ambiente e da saúde humana. A conscientização dos agricultores, aliada ao apoio da indústria, do governo e de entidades ambientais, é essencial para o sucesso das iniciativas de gestão sustentável”, destaca Aparecida.

Ainda segundo a diretora, apesar dos avanços, os desafios persistem. “O trabalho de conscientização realizado pela Emdagro é contínuo com o Programa Saúde no Campo. Além disso, a expansão de pontos de coleta e a busca por alternativas sustentáveis são aspectos que devem ser constantemente aprimorados para garantir um ambiente agrícola saudável e sustentável”, complementa.

Nesse contexto, a participação ativa dos agentes envolvidos, desde os agricultores até as autoridades governamentais e organizações não governamentais, é fundamental para assegurar uma gestão responsável dos resíduos agroquímicos e promover a sustentabilidade no setor agrícola brasileiro.

Governo

Última atualização: 1 de abril de 2024 08:56.

Pular para o conteúdo