Emdagro reúne equinocultores para tratar sobre medidas de vigilância do Mormo

Reunião aconteceu na Aease e contou com criadores de cavalos e médicos veterinários que discutiram sobre aspectos da doença

A Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro) reuniu na noite de terça-feira, 25, no auditório da Associação dos Engenheiros Agrônomos de Sergipe (Aease), em Aracaju, mais de 70 pessoas entre médicos veterinários, produtores rurais e representantes de associações de criadores de equinos para discutir a Portaria n° 187/2023, que dispõe sobre as medidas de vigilância do Mormo, com aplicação do controle do trânsito de cavalos em todo estado de Sergipe.

A reunião foi aberta pela diretora de Defesa Animal, Aparecida Andrade, que esclareceu trechos da portaria da Emdagro, publicada no último dia 21 de julho, que considera o Mormo de peculiar interesse para fins de fiscalização e defesa sanitária animal. Na ocasião, o auditor fiscal federal agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Leandro Oliveira dos Santos, falou sobre a legislação federal vigente sobre o assunto. Já a médica veterinária da Emdagro, Marcela Porto, apresentou as legislações estaduais, os casos da doença no estado e como vem sendo realizado seu diagnóstico nas propriedades com suspeita da doença.

Ao todo já foram diagnosticados dez focos da doença em Sergipe. “Nosso objetivo foi esclarecer os criadores da cadeia dos equídeos do estado e profissionais médicos veterinários sobre as medidas de vigilância, em relação aos equídeos e, especialmente, sobre o Mormo que, no estado, já se diagnosticou dez focos da doença, em quatro municípios sergipanos. Em Lagarto, seis focos; Itaporanga D’Ajuda, com dois; e os municípios de Carmópolis e São Cristóvão, com um foco em cada um”, esclareceu Aparecida Andrade.
 

Nova portaria

Segundo ela, o Mapa publicou uma nova portaria que flexibilizou todas exigências, em nível nacional, no que tange à doença do Mormo, o que para o estado de Sergipe é bastante perigoso. “Então convidamos para participar dessa reunião o representante do Mapa para falar sobre a portaria do órgão, que tornou flexíveis as exigências, o que para nós é um pouco perigoso, por flexibilizar bastante os cuidados da doença aqui no estado”, explicou a diretora.

Diante dessa flexibilização, por parte do Ministério da Agricultura, a Emdagro publicou sua Portaria nº 187/2023, que prevê, por exemplo, que a Guia de Trânsito Animal (GTA) para equídeos, para finalidade de eventos, será emitida com a apresentação do exame de Mormo negativo, como também os exames de Anemia Infecciosa Equina. “Ou seja, para participar de eventos de aglomeração, a aprovação de entrada dos equídeos se dará após a análise de toda a documentação sanitária: GTA, carteira de vacinação e inspeção clínica dos animais, desde que os mesmos não apresentem sintomatologia clínica de doenças infectocontagiosa, como o Mormo e a Anemia Infecciosa Equina (AIE)”, reforçou Aparecida.

Presente na reunião, o diretor financeiro da Associação Quarto de Milha (AQSL), Eduardo Salustino Faro, disse que a reunião foi bastante produtiva. “Foi extremamente produtiva para toda a classe da equinocultura sergipana, demonstrando a preocupação de todos os que estão envolvidos com o Mormo, que é um problema de saúde pública e que afeta muitas pessoas envolvidas com os cavalos. Por isso entendo que a fiscalização precisa ser intensa, porém, muito maior que a fiscalização dos órgãos responsáveis, precisa ser a responsabilidade do criador e do competidor. Essa precisa ser maior do que tudo”, comentou.

Governo

Última atualização: 27 de julho de 2023 11:38.

Pular para o conteúdo