Missão Final de Supervisão do FIDA avalia positivamente execução do Projeto Dom Távora pelo Governo de Sergipe

Projeto beneficiou 14.110 famílias por meio de 155 planos de negócio e 225 atividades produtivas, correspondendo a 118% da meta estabelecida no início do projeto

Na última semana, o Estado de Sergipe recebeu Missão remota de supervisão do Fundo Internacional de Desenvolvimento (FIDA) ao Projeto Dom Távora. Para o órgão internacional, esta foi considerada a principal missão desde a implementação do Projeto, por ser a supervisão de conclusão dos investimentos. A reunião final da Missão aconteceu no último dia 04 de junho, quando foram apresentados os resultados alcançados e o legado deixado pelo Projeto. O encontro virtual foi coordenado pela Secretaria de Estado da Agricultura (SEAGRI) e contou com a participação do secretário atual da Agricultura, André Bomfim, e dos ex-secretários da agricultura Zezinho Sobral, Esmeraldo Leal e Rose Rodrigues, que contribuíram para a implementação do Projeto.

Pelos dados apresentados no memorando da missão, o projeto beneficiou 14.110 famílias, por meio de 155 planos de negócio e 225 atividades produtivas, capacitação, ações de superação e enfrentamento à pandemia de Covid-19, e outros programas do governo, o que corresponde a 118% da meta estabelecida inicialmente, de 12.000 famílias. Foram aportados recursos na ordem de R$ 35,5 milhões, integralmente repassados para as ações produtivas, que tiveram como área de atuação 15 municípios localizados em diversos territórios do estado. O FIDA destacou que o projeto teve um impacto forte na realização de as ações de enfrentamento à Covid-19 ao longo de 2020 e 2021, por meio de compra e distribuição de sementes (2.830 famílias), escoamento da produção familiar com distribuição de kits de alimentação para famílias vulneráveis, produção e distribuição de máscaras produzidas por comunidades quilombolas (1.363 famílias).

O chefe de missão FIDA e oficial de programas para o País, Leonardo Bichara, reafirmou a satisfação de contribuir com o encerramento deste projeto. “A participação do FIDA chega ao fim, mas isso não significa que os beneficiários ficarão desamparados. A SEAGRI, juntamente com a Emdagro, continuarão dando seguimento a esses projetos. Para nós é uma satisfação muito grande chegar a esse ponto com 100% de execução financeira e com ações em todos os municípios da área de atuação”, avaliou Leonardo Bichara.

O Legado do Projeto
Para o secretário de Estado da Agricultura, André Luiz Bomfim Ferreira, são incontáveis os ganhos conquistados pelo Projeto do Távora, deixando um legado que vai além da geração de renda. “É bastante positiva essa interação entre o atual secretário e os demais gestores, que passaram pela Seagri e deram sua contribuição. Já é possível dizer que o projeto impactou significativamente o índice de redução da pobreza nos 15 municípios atendidos. Conseguimos mudar a realidade de milhares de famílias fomentando cadeias produtivas como a da ovinocaprinocultura, turismo de base comunitária, avicultura, piscicultura, artesanato. Verificamos que o principal legado está justamente no atendimento às famílias, não apenas com a geração de renda, mas também e principalmente, contribuindo para a autonomia e valorização das mulheres (a exemplo das cadernetas agroecológicas), jovens e comunidades tradicionais historicamente invisibilizadas”, destacou André.

Ainda segundo o secretário, importantes avanços foram alcançados também no processo de organização das associações. “Dentre eles, podemos observar os grandes aprendizados pelos quais passaram as equipes de licitação, de comercialização, etc. Vemos que os arranjos produtivos estão mais robustos, com novas possibilidades de parcerias para continuidade das ações. Enfim, há uma série de benefícios conquistados. Nos enche de orgulho e esperança saber que o governador Belivaldo Chagas já sinalizou para novos projetos a serem realizados com o FIDA. É mais uma demonstração da credibilidade das duas partes (FIDA e Governo)” , pontuou o André Bomfim.

O coordenador geral do Projeto Dom Távora, Gismário Nobre, também reiterou os ganhos imateriais para os públicos prioritários. “As mulheres representam 49% na composição dos planos de negócios; indicador considerável em se tratando de uma realidade culturalmente marcada pela predominância masculina. Os jovens, por sua vez, tiveram uma participação de 15% na composição dos planos de negócios – feito que não pode ser subestimado, em se tratando de um dos segmentos mais vulneráveis da sociedade. Ainda, com relação às ações de políticas transversais, cabe ressaltar os quilombolas, que representam 10% do total de beneficiários do projeto – índice que representa apenas um pequeno reparo da dívida que o Estado tem para com essa população, que sempre ficou à margem do acesso às políticas públicas”, ressaltou.

Sustentabilidade dos Projetos Comunitários
A finalização dos investimentos do FIDA não significa o fim do Projeto Dom Távora. A Seagri, com a equipe técnica do Projeto, apresentou ao órgão internacional uma série de iniciativas de sustentabilidade dos projetos apoiados. Dentre elas constam: assistência técnica da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro) às cadeias produtivas; e políticas complementares realizadas entre Seagri e pela Secretaria Estadual de Inclusão e Assistência Social (Seias) como continuidade às políticas de valorização das mulheres, jovens e quilombolas; com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), como educação profissionalizante; e o apoio do Incra no fomento às atividades produtivas nas áreas de Assentamento de reforma agrária.

Governo

Última atualização: 8 de junho de 2021 13:25.

Pular para o conteúdo