Publicado: 1 de junho de 2020, 12:49

Nascem os primeiros bezerros do programa de Inseminação Artificial em Tempo Fixo 2019


Programa de Melhoramento Genético realizado pela Seagri, Emdagro e Banese, busca elevação da produtividade da bacia leiteira sergipana

Em meio à pandemia de Covid-19, surgem boas notícias na pecuária. Neste mês de maio, no Alto Sertão sergipano, nasceram os primeiros bezerros do programa de Melhoramento Genético realizado em 2019 pelo Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) em parceria com o Banco do Estado de Sergipe (Banese), e execução técnica da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário (Emdagro). O programa disponibiliza, para o pequeno criador, a Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF), que aumenta a taxa de prenhez e a produtividade do rebanho, visando elevar a produtividade da bacia leiteira do Semiárido sergipano. Na última segunda-feira (25), em Monte Alegre, começaram as parições. Na Comunidade Couro, nasceu um bezerro fruto do IATF 2019, no rebanho do produtor José Mario dos Santos.

Dados divulgados pela Secretaria de Estado da Agricultura no início do ano indicaram que, em 2019, o programa de IATF foi executado com sucesso e proporcionou a inseminação de 1.215 vacas de pequenos produtores de leite na região, superando a meta inicial, que era de inseminar 975 animais. Obteve-se um índice de prenhez de 43,8% e, a partir deste mês de maio, é esperado o nascimento de 532 bezerros. A expectativa é que os animais nascidos em 2020, somados aos 157 bezerros nascidos em 2019 a partir da inseminação realizada em 2018, insiram 689 animais melhorados geneticamente em 15 municípios da região. 

“É necessário destacar que o Programa de Melhoramento Genético por IATF e outras ações de fomento realizadas pelo Governo de Sergipe junto aos criadores, como a distribuição de sementes de milho e de palma forrageira para reserva alimentar do gado no período da estiagem, bem como o processo de regularização das queijarias, comprovam a relevância da bacia leiteira sergipana, que produz mais de um milhão de litros de leite por dia, fortalecendo cada vez mais pequenos, médios, grandes produtores e indústrias de beneficiamento do leite”, ressalta o secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim.

A coordenadora de Assistência Técnica da Emdagro, Izildinha Aparecida de Carvalho Dantas, conta que as primeiras inseminações do segundo ano do programa foram realizadas em agosto de 2019, mas no mês de abril, como prenúncio de uma boa nova, uma bezerra nasceu de parto prematuro, filha de Gir Leiteiro, e está exigindo cuidados especiais por parte do produtor Manoel de Jesus Almeida [conhecido como Castelo] na propriedade Santa Isabel, no Território Quilombola de Serra da Guia. “A Emdagro prontamente deu as orientações técnicas necessárias para preservar a vida da bezerra. Dona Rita Feitosa, esposa do senhor Castelo, nos informou que seguiu os cuidados recomendados e a bezerra está bem. Outros nascimentos já estão ocorrendo no Sertão”, pontua Izildinha. A empresa de assistência técnica do estado é responsável pela gestão do programa, fazendo seleção dos produtores, das vacas a serem inseminadas e o acompanhamento técnico de todas as fases do processo de inseminação tais como protocolos hormonais, avaliação reprodutiva das vacas, inseminação e diagnóstico de prenhez.

O produtor Claudesvan Aparecido Soares – Devan, como é conhecido na localidade – e sua esposa Maria Zenilda Rosa, residentes no projeto Califórnia, em Canindé de São Francisco, começaram com cinco matrizes mestiças de holandês. Com o rápido retorno financeiro para a família, ampliaram para doze matrizes. Selecionado para participar do programa de inseminação artificial do governo do Estado através da Emdagro de Canindé, do seu plantel foram inseminadas nove matrizes. Após o DG – diagnostico gestacional, constatou-se a prenhez de sete matrizes inseminadas, um percentual excelente, de mais de 70%. “Já nasceram três, duas fêmeas e um macho, das sete que ficaram prenhe. A bezerrada tá bonita e esse projeto tem tudo para dar certo, principalmente porque vem para melhorar a qualidade do rebanho”, confirma o produtor.

Ampliação e continuidade
O convênio entre a Seagri e o Banese foi iniciado em 2018, quando foram investidos R$ 70 mil na execução do programa em quatro municípios (Nossa Senhora da Glória, Monte Alegre, Poço Redondo e Canindé do São Francisco), nos quais 50 produtores foram beneficiados com a inseminação de 475 animais. Daquele ano, o programa resultou no nascimento de 162 bezerros, provenientes das vacas leiteiras inseminadas com sêmen de animais de alta linhagem das raças Holandesas, Girolando e Gir Leiteiro. Já em 2019, a ação foi ampliada e o Banese disponibilizou R$ 155 mil para a inseminação de animais de 276 criadores de 15 municípios. Segundo o secretário André Bomfim, em 2020, a Seagri pretende continuar levando essa tecnologia a mais produtores.


Atualizado: 1 de junho de 2020, 12:49
Skip to content