Sergipe adere ao Programa Mais Genética no Sertão e leva avanços tecnológicos à pecuária do estado

Criadores de ovinos e caprinos passarão a contar com inseminação artificial por tempo fixo para garantir melhoria genética do rebanho

Na manhã do último dia 27, um marco importante foi alcançado na pecuária nordestina com o lançamento online do Programa Mais Genética no Sertão, transmitido pelo canal TV Confederação Nacional de Agricultores Familiares e Empreendedores Familiares Rurais (Conafer) no Youtube. O evento contou com a presença do presidente da Emdagro, Gilson dos Anjos, do diretor técnico Jean Carlos Nascimento e da coordenadora de Pecuária, Izildinha Dantas. O Programa Mais Genética no Sertão representa um avanço significativo ao oferecer melhoramento genético aos produtores agrofamiliares por meio da inseminação artificial em tempo fixo (IATF) em caprinos e ovinos.

O presidente Gilson dos Anjos destacou a importância do programa como uma resposta aos desafios enfrentados no sertão nordestino, como as condições climáticas adversas, a escassez de recursos hídricos e a falta de acesso a tecnologias avançadas. “O Programa Mais Genética no Sertão é mais do que uma iniciativa, é uma verdadeira revolução genética que visa fortalecer a pecuária em uma região historicamente desafiadora. Estamos oferecendo aos pequenos produtores a oportunidade de elevar a qualidade de seus rebanhos, promovendo não apenas o desenvolvimento econômico, mas também social dessa comunidade”, enfatizou.

Com o Mais Genética, os pequenos produtores de caprinos e ovinos terão acesso a inseminação com sêmen das melhores raças, além de receberem apoio logístico e protocolos sob a responsabilidade da Conafer. Vale ressaltar que o programa é totalmente gratuito, refletindo o compromisso da confederação em democratizar o acesso à tecnologia e promover o desenvolvimento rural sustentável. A Emdagro será a responsável por divulgar o programa, selecionar os criadores e acompanhar a execução do mesmo.

Segundo o diretor de Assistência Técnica e Extensão Rural, Jean Carlos Nascimento, em Sergipe a meta é que o programa atinja ao seu final 1.200 prenhezes e detalha os critérios para o criador acessá-lo. “Esse será um programa para 4 anos e a meta é que haja 300 prenhezes a cada ano do programa. Os critérios para participação são acessíveis, exigindo que os produtores estejam em plena atividade pecuária, possuam o Cadastro Nacional de Agricultura Familiar (CAF) ou Inscrição Estadual, estejam em dia com o órgão de defesa agropecuária do estado, e apresentem cópia de RG, CPF e comprovante de residência em qualquer escritório da Emdagro”.

A iniciativa conta com o apoio de parceiros estratégicos como Terra Bank, Ala Genetics e Alta Brasil, que colaboram para garantir o acesso à biotecnologia da inseminação artificial aos pequenos produtores sertanejos. Assim, o Programa Mais Genética no Sertão não apenas representa um avanço na pecuária brasileira, mas também um exemplo inspirador de como a colaboração entre instituições pode gerar impacto positivo em comunidades rurais.

Governo

Última atualização: 1 de abril de 2024 08:49.

Pular para o conteúdo