Publicado: 13 de novembro de 2020, 12:43

Comitiva do Governo Federal e Estadual visita carcinicultores em São Cristóvão, em meio a agenda de fortalecimento da Aquicultura


Em Sergipe, segundo IBGE, produção de camarão em viveiro escavado é de 3.232 toneladas/ano

Na última quinta-feira (12), carcinicultores (produtores de camarão em viveiros) da Fazenda Gameleira, no município de São Cristóvão, receberam a visita do secretário Nacional de Aquicultura e Pesca Jorge Seif; do secretário de Estado da Agricultura, André Bomfim; acompanhados de uma comitiva de representantes do Governo Federal e Estadual. Na ocasião, os produtores puderam dialogar com os gestores e apresentar demandas para desenvolvimento da atividade produtiva no estado.

A visita integra a agenda de Jorge Seif em Sergipe, que começou na última quarta-feira (11), com uma visita às obras de construção do Laboratório de Pesquisa e Inovação em Maricultura (Lapimar), na Embrapa Tabuleiros Costeiros, que quando pronto, permitirá análises de suporte às pesquisas para promover avanços tecnológicos com foco na produção sustentável de peixes, camarões e ostras. Na terça, a comitiva visitou o Entreposto de Pesca de Pirambu e, nesta sexta (13), o Terminal Pesqueiro de Aracaju, onde Seif anunciou a liberação de R$ 3 milhões para conclusão da estrutura física, a fim de que o Terminal seja entregue à gestão da iniciativa privada, conforme determinado pelo Governo Federal, quando o incluiu no Programa de Parcerias para Investimentos (PPI).

Em Sergipe, pelos dados do IBGE 2019, a produção de camarão em viveiro escavado é de 3.232 toneladas/ano. Os municípios maiores produtores são Nossa Senhora do Socorro (1.120 toneladas/ano), Brejo Grande (832 t/a), São Cristóvão (446 t/a) Santos Amaro (197 t/a) e Indiaroba (165 t/a) seguido de mais 12 outros municípios. De acordo com o presidente da Associação de Criadores de Camarão do Estado de Sergipe (Aces), Lee Felix, temos uma peculiaridade em relação aos demais estados do Nordeste.

“Nosso Estado contempla, com mais de 95%, os pequenos e microprodutores, que são aqueles criadores que tem apenas um ou dois viveiros. São caracterizados ambientalmente como pequenos produtores os que possuem terreno abaixo de 10 hectares. Isso se torna bastante relevante, porque envolve uma família inteira, pois é com a mão de obra familiar que eles transformam as suas vidas”, diz. Os criadores com representantes da Câmara Empresarial da Pesca e Aquicultura da Fecomércio apresentaram, para o secretário Federal da Pesca pautas com sugestões da Pesca e Aquicultura. “O objetivo é fazer com que a atividade possa crescer da forma como deveria, pois ficou parada por mais de uma década.

O secretário Nacional de Aquicultura e Pesca reconhece a importância da atividade para a segurança alimentar, para a geração de emprego e para a infraestrutura produtiva, e reforça a necessidade de uma ação conjunta dos entes públicos. “Nós estamos muito felizes, pois quando ouvimos as demandas dos carcinicultores, vimos que elas estão muito conectados com o que já temos trabalhado em prol desse setor. Basicamente: segurança jurídica, financiamento e licenciamento ambiental. Entendo que as ações dependem de nós, do Governo Federal e também do Governo Estadual. Por isso, estamos aqui e tenho certeza que o Governo de Sergipe, independente de questões político-partidárias, atuará junto conosco pelo setor produtivo que gera renda, alimento, desenvolvimento e emprego. Podemos fazer de Sergipe um celeiro de carcinicultura, para que seja um grande protagonista no Brasil e no mundo, em relação à criação de camarão”, destaca Jorge Seif.

Segundo o secretário de estado da agricultura e Pesca, André Bomfim, é fundamental a visita do secretário nacional da Aquicultura e Pesca para estreitar relações de parceria com o governo Federal. “É uma oportunidade de o secretário Jorge Seif conhecer o potencial do Estado de Sergipe e, também, uma oportunidade de diálogo para estreitar essa relação. A gente espera que esse seja mais um marco. O Governo de Sergipe se coloca à disposição – a Seagri, a Adema, a Superintendência de Recursos Hídricos –, para que a gente possa fortalecer cada vez mais essa importante cadeia produtiva. A carcinicultura está cada vez mais crescente em Sergipe, principalmente no Baixo São Francisco, e pode contribuir para a geração de emprego e renda. O Governo do Estado tem um papel muito importante na celeridade da análise do processo de licenciamento, assim como da gestão da outorga, bem como novas legislações ambientais aprovadas pela Assembleia Legislativa”, afirmou André.

O deputado estadual Zezinho Sobral falou a contribuição da Assembleia Legislativa de Sergipe na regulamentação da carcinicultura. “A Assembleia defende a atividade e tem pautado com sucesso a criação de leis no sentido de normatizar, para que o carcinicultor possa trabalhar obedecendo as regas, respeitando o meio ambiente e criando mais uma atividade econômica para o estado”. Zezinho citou o exemplo criação de camarão no Baixo São Francisco, onde tem substituído a rizicultura com redução do impacto ambiental e levando empresas, como produtoras de ração e alevinos.


Atualizado: 13 de novembro de 2020, 12:43
Skip to content