Publicado: 4 de maio de 2016, 13:57

Governo inicia campanha contra a Febre Aftosa


Segue até 31 de maio a primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa em Sergipe. Dividida em duas etapas, maio e novembro, a campanha visa imunizar 1,220 milhão de animais entre bovinos (bois e vacas) e bubalinos (búfalos), independente da faixa etária do rebanho. Atualmente, em Sergipe, esse quantitativo de animais está distribuído entre os mais de 42 mil criadores.

Com a medida, o estado de Sergipe entra em seu 21º ano sem o registro da doença. A diretora de Defesa Vegetal da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), Salete Dezen, atribui essa conquista ao trabalho que a empresa vem desenvolvendo para manter a média de vacinação. “Estamos acima do índice estipulado pelos órgãos internacionais. Nesses últimos anos, a Emdagro vem mantendo o índice de 96% de animais imunizados. Isso garante a Sergipe o status de área livre que, juntamente com os demais estados livres da aftosa, pode realizar comércio de animais vivos, produtos e subprodutos de origem animal com os demais estados da federação, bem como para outros países”.

Segundo a diretora, as vacinas já se encontram disponibilizadas nas principais casas agropecuárias do estado, as quais o próprio criador deverá adquirir a um preço que varia entre R$ 1,40 a R$ 1,60 cada.

A doença

A Febre aftosa é uma enfermidade altamente contagiosa que ataca a todos os animais de casco fendido, principalmente bovinos, suínos, ovinos e caprinos. Dá-se em todas as idades, independente de sexo, raça, clima, dentre outros.

O vírus se isola em grandes concentrações no líquido das vesículas que se formam na mucosa da língua e nos tecidos moles em torno das unhas. O sangue contém grandes quantidades de vírus durante as fases iniciais da enfermidade, quando o animal é muito contagioso.

Quando as vesículas arrebentam, o vírus passa à saliva e com a baba infecta os alojamentos, os pastos e as estradas onde passa o animal doente. Resiste durante meses em carcaças congeladas, principalmente na medula óssea. Dura muito tempo na erva dos pastos e na forragem ensilada. Persiste por tempo prolongado na farinha de ossos, nos couros e nos fardos de feno.

Outras vezes o contágio é indireto e, nesse caso, o vírus é transportado através de alimentos, água, ar e pássaros. Também as pessoas que cuidam dos animais doentes levam em suas mãos, na roupa ou nos calçados, o vírus, o qual é capaz de contaminar animais sadios. Nos animais infectados naturalmente, o período de incubação, varia de dezoito horas e três semanas.

A gravidade da aftosa não decorre das mortes que ocasiona, mas principalmente dos prejuízos econômicos, atingindo todos os pecuaristas, desde os pequenos até os grandes produtores. Causa em consequência da febre e da perda de apetite, sob as formas de quebra da produção leiteira, perda de peso, crescimento retardado e menor eficiência reprodutiva. Pode levar à morte, principalmente os animais jovens. As propriedades que têm animais doentes são interditadas e os animais sacrificados, assim como das propriedades vizinhas e a exportação da carne e dos produtos derivados torna-se difícil, porque imediatamente as exportações do País são suspensas.


Atualizado: 4 de maio de 2016, 13:57
Skip to content