II Encontro Sergipano de Apicultores e Meliponicultores tem apoio do Governo do Estado

Primeiro dia reuniu representantes das instituições que formam o Conselho Estadual de Apicultura e Meliponicultura para tratar sobre mudanças climáticas e preservação da caatinga

Teve início nesta terça-feira, 21, e segue até o próximo dia 23 de maio, na Universidade Federal de Sergipe (UFS), o II Encontro Sergipano de Apicultores e Meliponicultores (Esam). O evento conta com apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri) e suporte técnico da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro). No primeiro dia, paralelamente ao evento, foi realizada uma reunião com representantes das instituições que formam o Conselho Estadual de Apicultura e Meliponicultura – em fase de oficialização pelo Governo de Sergipe – para tratar das questões relacionadas a este setor produtivo, principalmente no que diz respeito às mudanças climáticas e à preservação da caatinga local.

Representando o secretário de Estado da Agricultura, Zeca da Silva, o chefe da Assessoria de Planejamento da Seagri, Arlindo Nery, destacou que o encontro foi uma ótima oportunidade de reunir todos os ocupantes do conselho. “A Secretaria de Estado da Agricultura participa do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Cema) e, recentemente, nós recebemos o superintendente do Ibama, Cássio Murilo Costa, quando falamos sobre a importância de traçarmos estratégias em conjunto, a fim de disseminar a relevância de preservar a caatinga. Também definimos que os participantes do conselho irão formular projetos, que serão encabeçados pela Seagri, a fim de buscarmos apoio junto à bancada parlamentar de Sergipe, para formarmos cooperativas e, assim, fortalecermos e organizarmos cada vez mais a cadeia produtiva do mel no estado e a certificação dos  produtos locais”, pontuou Arlindo.

Professor do Departamento de Biologia para Genética da UFS e coordenador do diagnóstico contratado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (Fapitec/SE), Edilson Divino de Araújo classifica o Governo do Estado como um dos principais atores desse processo. “Diretamente está associado à Secretaria de Estado da Assistência Social, à Secretaria de Estado da Agricultura e aos  projetos com a Fapitec, que é o braço de pesquisas do Estado, além da Emdagro, que é um ente extremamente importante. Temos uma estrutura fortemente alinhada para que possamos chegar aos objetivos a que pretendemos, a fim de resolver diversos gargalos na apicultura e meliponicultura”, ressaltou o pesquisador.

O processo de criação do Conselho Estadual de Apicultores e Meliponicultores conta com a parceria da Secretaria de Estado da Assistência Social, Inclusão e Cidadania (Seasic), Emdagro, Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), Ministério da Integração Regional, UFS, Instituto Federal de Sergipe (IFS), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Companhia de Desenvolvimento do Vale São Francisco (Codevasf), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Banco do Nordeste (BNB) e Banco do Estado de Sergipe (Banese).

II Encontro

Um dos idealizadores do evento, o presidente da Associação Sancristovense de Apicultores e Meliponicultores (Asam), Ricardo Tayron dos Santos, agradeceu a participação do Governo do Estado, que já demonstrou apostar muito na atividade apícola de Sergipe. “No ano passado, demos o pontapé inicial, e apostamos que este ano teremos um público ainda maior para, juntos, discutirmos sobre ações de prosperidade para a atividade. Daqui com certeza sairão bons frutos, como a novidade que vamos anunciar esse ano do primeiro SIF [Serviço de Inspeção Federal] a nível de abelhas sem ferrão do estado de Sergipe, que é resultado do trabalho não só da nossa associação, como também de todos os apicultores sergipanos”, comemorou o produtor, ao destacar que, a partir de agora, poderá comercializar seus produtos também fora do estado de Sergipe.

O apicultor Gabriel Gomes Nascimento, do Assentamento 13 de maio, em Japaratuba, demonstrou muita satisfação em participar do encontro. “Como apicultores, nós temos o papel principal de sermos defensores da natureza, pois precisamos muito do que ela produz, e este é um momento importante para organizarmos o setor e trazer a gente mais para perto de nosso público, de adquirirmos conhecimentos e trocar ideias com outros apicultores locais”, destacou.

Presidente da Associação dos Apicultores de Indiaroba e uma das expositoras no evento, Kissy Araya falou sobre a diversidade de produtos que  o setor apresenta. “Em nossa região, além da extração do mel trabalhamos com o pólen, com o extrato de própolis, do vermelho, que é um dos melhores que tem, as balas de gengibre, limão e mel, que são produzidas sem açúcar e sem conservantes, e recentemente também começamos a trabalhar com as velas de cera de abelha”, disse, ao observar que a apicultura abrange uma quantidade imensa de produtos. “A apicultura não se resume somente ao mel; extraímos desde própolis até a cera da abelha, nada é descartado. Temos uma gama imensa de produtos, e temos muito a crescer nessa cadeia produtiva”, comemorou a produtora, que representa a associação formada

por 23 apicultores.

Agricultura

Governo

Última atualização: 24 de maio de 2024 09:49.

Pular para o conteúdo