“A Adutora do Leite será a redenção do sertão com mais de 90 quilômetros de extensão”, afirma Fábio Mitidieri em Poço Redondo

Governo de Sergipe autoriza processo licitatório para elaboração do projeto básico da Adutora do Leite 

O governador Fábio Mitidieri assinou nesta segunda-feira, 4, autorização do processo licitatório para estudos e elaboração de projetos de sistema de adução de água do Rio São Francisco por meio da Adutora do Leite, no alto sertão sergipano, no município de Poço Redondo. O investimento inicial estimado é de R$ 8 milhões.

Segundo o governador, a obra trará diversos benefícios não só para a região, como também para todo o estado. “A obra para a construção da Adutora do Leite será a redenção do sertão sergipano, uma obra de R$240 milhões que vai puxar a água do Rio São Francisco até Nossa Senhora da Glória, portanto, mais de 90 quilômetros de extensão de adutora”, comemorou.

Fábio Mitidieri lembrou ainda que são 11 meses de gestão e a população tem feito cobranças e pedido resolutividade nas ações. “A população cobra e eu tenho pressa em solucionar. A água é um problema que temos que resolver. Vamos mudar essa realidade com transparência e seriedade e, definitivamente, acabar com a falta d’água do sertão. A falta d’água é um problema que tira a dignidade e mexe com a saúde do sertanejo”, afirmou.

A Adutora do Leite irá levar água bruta para a região do alto sertão, possibilitando que a produção leiteira da região dobre. O investimento estimado irá levar, na primeira etapa, água do Rio São Francisco até o povoado de Santa Rosa do Ermírio, com a construção de pequenas barragens ao longo do caminho e uma grande barragem em Santa Rosa. A expectativa é duplicar a quantidade de leite da região que envolve os municípios de Canindé de São Francisco e Poço Redondo. A bacia leiteira do alto sertão é composta pelos municípios de Canindé, Poço Redondo, Porto da Folha, Gararu, Nossa Senhora da Glória, Monte Alegre e Nossa Senhora de Lourdes. Juntas, as cidades somam 212.288 animais.

Presente na solenidade, o secretário de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca, Zeca da Silva, destacou que a iniciativa do governo é um momento ímpar na vida da população da região. “Nosso estudo pela Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro) diz que, com a Adutora do Leite, nós podemos dobrar a capacidade de produção de leite, fortalecendo assim, a nossa bacia leiteira, gerando mais emprego e renda no estado”, informou.

Na ocasião, a prefeita de Poço Redondo, Aline Vasconcelos, demonstrou gratidão pela ação do Governo do Estado. “O tão sonhado dia chegou, a adutora em nosso município. Isso muda a realidade do nosso povo que sofre com a seca, principalmente de quem vive da agropecuária e da produção de leite”, disse.

Títulos de terra

Ainda na solenidade, o governador Fábio Mitidieri entregou mais 15 títulos de terra, por meio do Programa de Regularização Fundiária, para agricultores assentados nas colônias estaduais do município de Poço Redondo. Neste ano, já foram entregues mais de mil títulos. Como representantes dos demais beneficiários, cinco agricultores receberam os títulos.

O governador lembrou que, entre tantos benefícios, o documento oficial garante segurança jurídica para o agricultor e também a valorização da sua terra. “É transformador poder entregar esses títulos e ver a felicidade das pessoas. Isso é compromisso com o sertão e com as pessoas que mais precisam”, reforçou.

Sobre o tema, o secretário Zeca da Silva afirmou que serão entregues mil documentos em Poço Redondo nos próximos quatro meses. “O que o governo está fazendo é dando atenção e liberdade ao pequeno produtor rural”, apontou.

Bacia do Leite

A bacia leiteira do alto sertão sergipano é composta por sete municípios que, juntos, somam  212.288 animais. 
Atualmente, a produção oficial do estado, ou seja, que passa pelos laticínios com selo de inspeção, é de 1,5 milhões de litros por dia. Conforme dados da Emdagro, Poço Redondo é o maior produtor de leite do estado e o que tem maior produtividade (litros de leite de vaca por ano), com uma média municipal de 3.960 litros por ano. A média de Sergipe é 2.336 e a média brasileira é de 1.343 litros do produto por ano.

Com 112.769 milhões de litros de leite no primeiro trimestre de 2023, Sergipe segue em décimo lugar no ranking nacional em relação à aquisição e industrialização de leite cru e em segundo do Nordeste, ficando atrás apenas da Bahia, com 140.907 milhões de litros.

Nos últimos dez anos, houve uma grande evolução na produção, especialmente a partir de investimentos e ações realizados pelo Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri) e Emdagro, e pesquisas das instituições de ensino para o avanço da pecuária de leite no sertão.

Dados

O bom momento da pecuária leiteira sergipana já havia sido revelado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) com base nos dados do balanço do primeiro trimestre 2023, que mostrou a evolução de 23 milhões de litros em relação ao mesmo período do ano passado. Os números do instituto de pesquisa levam em consideração a aquisição de leite cru feita pelos estabelecimentos sob algum tipo de inspeção sanitária (federal, estadual ou municipal), mas a produção é maior considerando o consumo ou a compra direta aos produtores nas áreas rurais.

Incentivos do governo

Entre os diversos incentivos do Governo de Sergipe para o fortalecimento da bacia leiteira, destacam-se o melhoramento genético (IATF), a assistência técnica da saúde dos animais – o estado está há 28 anos livre da febre aftosa, como também a assistência técnica e certificação dos laticínios e disponibilização de sementes de milho, de palma, para forragem, ou seja, para alimentação dos animais.

Sisbi do leite

Em janeiro, o Ministério da Agricultura autorizou ampliação do escopo do Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi-POA) ao Serviço de Inspeção Estadual da Emdagro para atuação na área de leite e derivados. A medida foi fruto de negociação do governador Fábio Mitidieri junto ao Ministério.

Com a adesão, as agroindústrias do estado podem comercializar seus produtos em todo o território nacional.

Governo

Última atualização: 6 de dezembro de 2023 11:36.

Pular para o conteúdo