Pró-campo vai investir 5,7 milhões em revitalização de barragens em 2022 através da Cohidro

Em municípios em situação de emergência, são 21 barragens comunitárias de médio porte e 1.000 barreiros de pequenos criadores com até 19 cabeças de gado

Desde o início do mês de fevereiro, máquinas e operários trabalham em sincronia para retirar os sedimentos depositados no leito da barragem Chapéu de Couro, no Assentamento de Reforma Agrária Barra da Onça, em Poço Redondo. Ao mesmo tempo em que lá é construída uma nova barreira em concreto, para evitar a perda da água que vinha ocorrendo. Água que tem múltiplos usos, mas atende principalmente à dessedentação animal durante os períodos de estiagem. A ordem de serviço da obra foi dada pelo Governador Belivaldo Chagas junto do lançamento do Programa Pró-Campo, em dezembro. Mas pelo Pró-Campo, neste ano o Governo do Estado investe R$ 5.710.986,01 só em recuperação e ampliação de barragens. Isso ao incluir, no conjunto de ações, o Programa de Recuperação de Barragens, para atender outras 20 de médio porte e 1.000 de pequeno porte, atualmente em processo licitatório.

Um Termo de Cooperação Técnica entre as secretarias de estado da Inclusão e Assistência Social (Seias), da Agricultura, do Desenvolvimento Agrário e da Pesca (Seagri) e a sua vinculada, a Companhia de Desenvolvimento de Recurso Hídricos e irrigação de Sergipe (Cohidro), investem R$ 800.213,11 do Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (Funcep), gerido pela Seias, na barragem Chapéu de Couro, que não recebe uma intervenção deste porte desde sua construção, na década de 1980. A execução e fiscalização da obra, realizada por empresa licitada, fica a cargo da Cohidro. “É um investimento muito importante para a região, vai atender mais de 200 famílias assentadas. Obra que ele autorizou e que agora está sendo fiscalizada pelo governador Belivaldo Chagas”, disse o secretário de Estado da Agricultura, Zeca da Silva, no dia de visita à obra feita pelo governador, em 17 de fevereiro.

Bebeto da Barra da Onça, presidente da Associação Camponesa do Projeto de Assentamento Barra da Onça, considera de essencial importância a barragem que está em obras de recuperação. No assentamento, com mais de 200 famílias, e outras localidades de Poço Redondo. “É importante para todos nós, agricultores e criadores. Na época do período da seca, a gente sofre bastante. E esta barragem, estando recuperada, vai juntar água para 2 ou 3 anos. Não só para a Barra da Onça, como qualquer outra comunidade local pode vir também buscar água para sustentar os seus animais. É um momento muito importante que todos nós estamos, aqui hoje, presenciando nessa barragem Chapéu de Couro, com Belivaldo Chagas fazendo esse excelentíssimo trabalho para ajudar todos nós agricultores”.

Também presente à visita do governador do Estado às obras na Barra da Onça, a diretora de Infraestrutura Hídrica e Mecanização Agrícola da Cohidro, Elayne de Araújo, expôs os números da ação feita para reativar a barragem.  “Estamos retirando 60.000m³ de terra, volume que vai além do material deslocado pela chuva para o leito da barragem. De modo que vamos ampliar a capacidade de acúmulo de água para algo em torno de 800.000m³. Para evitar que a água acumulada pelas chuvas continue vazando pelo maciço da barragem, estamos construindo uma nova barreira de 20cm de espessura em toda a superfície do barramento para impermeabilização. Usando, para isso, um volume de 250m³ de concreto”, listou a diretora. Ela ainda informou que a empresa pública já realizou, com sucesso, o pregão do processo licitatório, para em breve selecionar as empresas de engenharia que vão atuar no Programa de Recuperação de Barragens.

Programa de Recuperação de Barragens

Diretor-presidente da Cohidro, Paulo Sobral, reforça a importância de o Pró-Campo lançar o Programa de Recuperação de Barragens. Ação em que a Cohidro, desde 2012, já recuperou mais de 2 mil barragens em municípios em situação de emergência devido à estiagem, também através de recursos do Funcep. “As 20 barragens de médio porte, a exemplo da Chapéu de Couro, atendem uma ou mais localidades de forma coletiva. Com livre acesso para os criadores levarem seus rebanhos até as suas margens e para coleta de água de carroça ou carro-pipa, evidenciando o múltiplo uso. Já a recuperação e limpeza das 1.000 barragens de pequeno porte, atendem propriedades privadas e são voltadas à criadores com até 19 cabeças de gado, com CAF (Cadastro Nacional da Agricultura Familiar) e que estejam dispostos a assinar uma declaração autorizando outras famílias da comunidade a utilizarem a água do barreiro”, esclareceu o presidente.

Governo

Última atualização: 11 de março de 2022 12:48.

Pular para o conteúdo